Perceptions of students about the importance of the internet in the democratization of health knowledge

Faria de Moura Villela, Edlaine Perceptions of students about the importance of the internet in the democratization of health knowledge., 2019 . In EDICIC 2019 / BARCELONA, SPAIN. (Unpublished) [Conference paper]

[img]
Preview
Text
Preprint_EDICIC_2019.pdf

Download (235kB) | Preview

English abstract

Ensuring information and communication in quality health to the population means being able to influence the behavior of a given community. In this context, social networks have gained considerable space when the discussion involves the desire for social change, since it is in everyday life that people act, interact, formulate and exchange ideas and opinions, including about health, which can lead to the transformation of behavior of society. The purpose of this study was to describe the perceptions of medical students about access to health information, focusing on the importance of this process not only for health education, but also as a tool for digital inclusion and citizenship. The work has as theoretical reference the Theory of Social Representations. This is an exploratory descriptive research, with a quantitative and qualitative approach. Questionnaires were applied to 150 medical students in 2017. Data analysis was done through the Collective Subject Discourse. Qualiquantisoft was used to tabulate the data. From the data collection and analysis, it was observed that the age range of the students interviewed ranged from 18 to 30 years of age in both questionnaires. Most of the students surveyed answered that they use information sources weekly (81%). 96% practice using the internet; 73% seek publications in the health area; and 63% consult health professionals for information. It was noticed that the most used places for access to information are the residence and university (80% and 69%, respectively). Regarding online tools, most students responded that they preferred websites with medical content/health portals (76%) and databases/journals (71%). These results, therefore, corroborate with the discussion about the presence of the internet in the daily life of students. Regarding the impact that health information has on their lives, students reported that information contributes to academic knowledge, personal and professional development, and the promotion of citizenship (85%, 80% and 78%, respectively). Most of the interviewees consider that the study on health information is beneficial and essential (80%) for the humanization process of health professionals, and specifically for the humanization of future physicians. Thus, it is observed that medical students recognize the importance of open science to guarantee access to information and communication in health.

Portuguese abstract

Garantir informação e comunicação em saúde de qualidade à população significa poder influenciar no comportamento de uma determinada comunidade. Neste contexto, as redes sociais têm ganhado considerável espaço quando a discussão envolve o desejo de mudança social, pois é no cotidiano que as pessoas agem, interagem, formulam e trocam ideias e opiniões, inclusive sobre saúde, o que pode levar à transformação do comportamento da sociedade. O Objetivo desse estudo foi descrever as percepções de estudantes de medicina sobre o acesso à informação em saúde, com enfoque na importância deste processo não somente para a formação em saúde, mas também como ferramenta para inclusão digital e cidadania. O trabalho possui como referencial teórico a Teoria das Representações Sociais. Trata-se de uma pesquisa exploratória descritiva, de abordagem quantitativa e qualitativa. Foi feita aplicação de questionários para 150 estudantes de medicina no ano de 2017. A análise dos dados foi feita por meio do Discurso do Sujeito Coletivo. Foi utilizado o Qualiquantisoft para tabulação dos dados. A partir da coleta e análise dos dados obtidos, observou-se que a faixa etária dos alunos entrevistados variou de 18 a 30 anos de idade, em ambos os questionários. A maioria dos alunos abordados respondeu que fazem uso de fontes de informação semanalmente (81%). 96% praticam o uso da internet; 73% buscam publicações na área da saúde; e 63% consultam profissionais de saúde para obter informações. Notou-se que os locais mais utilizados para o acesso à informação são a própria residência e a universidade (80% e 69%, respectivamente). A respeito das ferramentas on-line, a maioria dos estudantes respondeu que preferem websites com conteúdos médicos/portais de saúde (76%) e bases de dados/periódicos (71%). Tais resultados, portanto, corroboram com a discussão feita a respeito da presença da internet no cotidiano dos estudantes. Quanto ao impacto que a informação em saúde tem em suas vidas, os alunos relataram que a informação contribui para o conhecimento acadêmico, para o desenvolvimento pessoal e profissional dos mesmos e para a promoção da cidadania (85%, 80% e 78%, respectivamente). A maioria dos entrevistados considera que o estudo sobre a informação em saúde é benéfico e essencial (80%) para o processo de humanização dos profissionais de saúde, e especificamente, para a humanização dos futuros médicos. Assim, observa-se que os estudantes de medicina reconhecem a importancia da ciencia aberta para garantia do acesso à informação e comunicação em saúde.

Item type: Conference paper
Keywords: health information; digital inclusion; health formation; social transformation; access to information.
Subjects: B. Information use and sociology of information > BA. Use and impact of information.
B. Information use and sociology of information > BJ. Communication
B. Information use and sociology of information > BG. Information dissemination and diffusion.
Depositing user: Prof.Dr. Edlaine Faria de Moura Villela
Date deposited: 18 Jun 2019 07:13
Last modified: 18 Jun 2019 07:13
URI: http://hdl.handle.net/10760/38538

References

"SEEK" links will first look for possible matches inside E-LIS and query Google Scholar if no results are found.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselhos Nacionais de Saúde. Relatórios das oficinas de Comunicação. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2007.

Brasil. (2014). Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em

Medicina (DCN). Ministério da Educação. Resolução nº 3, de 20 de Junho de 2014. Disponível

em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/Med.pdf>. Acesso em: 13 jul.2017.

Caldeira, T. R. et al. (2008). Evolução histórica das bulas de medicamentos no Brasil. Cad. Saúde

Pública, Rio de Janeiro, 24(4):737-743, abr, 2008.

Castells, M. (1996). An introduction to the Information Age.

Garbin, H. B. R. et al. (2012) Internet na promoção da saúde: um instrumento para o

desenvolvimento de habilidades pessoais e sociais. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de

Janeiro, 22(1): 347-363, 2012.

Gil AC. Questionário. In: GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

Grosseman S, Stoll C. O ensino-aprendizagem da relação médico-paciente: estudo de caso com estudantes do último semestre do curso de medicina. Rev Bras Educ Med, 32(3):301- 308, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbem/v32n3/v32n3a04> Acesso em 13 jul.2017.

Jodelet D. As representações sociais (tradução de ULUP, L.). Rio de Janeiro: Ed. UERJ. 2001.

MoscovicI S. Representações Sociais: Investigações em Psicologia Social. Trad. Pedrinho A. Guareschi. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

Lefèvre F, Lefèvre AMC. Depoimentos e discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília: Liber Livro, 2005.

Marteleto, R. M.; Stotz, E. N. Orgs. (2009). Informação, saúde e redes sociais: diálogos de

conhecimentos nas comunidades da Maré. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; Belo Horizonte: UFMG, 176

p.

Silva VC, Rocha CMF. A comunicação em saúde no Sistema Único de Saúde: uma revisão de literatura. 2013. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/ 10183/97638/000921305.pdf?sequence=1> Acesso em: 27. Jul. 2017.

Teixeira, J. A. C. (1996) Comunicação e cuidados de saúde. Desafios para a psicologia da saúde.

Análise Psicológica, 1996, 14 (1), 135-139.

Villela, E. F. M.; Almeida, W. S.; Nascimento, W. A. D.; Bollela, V. R. (2017). Medical students & community health workers learning together, 51: 551-552.


Downloads

Downloads per month over past year

Actions (login required)

View Item View Item