A multitemporalidade da biblioteca

Carvalho-Silva, Jonathas Luiz A multitemporalidade da biblioteca. Revista Interamericana de Bibliotecología, 2013, vol. 36, n. 1, pp. 25-34. [Journal article (Paginated)]

[img]
Preview
Text (PDF)
v36n1a2.pdf - Published version
Available under License Creative Commons Attribution Non-commercial.

Download (670kB) | Preview

English abstract

Discusses the historical complexity of the library. Presents as a problem the following question: how has the temporality library from a dialogue with concepts of history? The objective of this work is to discuss the concepts of multitemporal library and its relationships within different concepts and perceptions of history, as Paul Veyne, Edgar Morin and Eric Hobsbawm. In terms of methodology, the study represents a literature review, seeking to establish a dialogue between the fields of knowledge, especially the library and the history and literature of the above areas of national and global nature. We conclude that the library is because multitemporal settles in various historical contexts of narrative as well as dialogue from this design and integrated between times past, present and future. We believe, finally, that the library is multitemporal because their historical transformations are plural and consolidated from various dialogues and integrations.

Portuguese abstract

Aborda a complexidade histórica da biblioteca. Apresenta como problema a seguinte pergunta: como se apresenta a temporalidade da biblioteca a partir de um diálogo com conceitos de história? O objetivo deste trabalho é discutir sobre as concepções multitemporais da biblioteca e suas relações no âmbito de diferentes conceitos e percepções de história, como Paul Veyne, Edgar Morin e Eric Hobsbawm. Em termos metodológicos, o estudo se constitui de uma revisão bibliográfica, buscando estabelecer um diálogo entre as áreas do conhecimento, especialmente a biblioteconomia e a história e as literaturas das áreas supramencionadas de cunho nacional e global. Podemos concluir que a biblioteca é multitemporal porque se estabelece em diversos contextos históricos de cunho narrativo, assim como diálogos a partir do presente e a concepção integrada entre tempos passado, presente e futuro. Consideramos, por fim, que a biblioteca é multitemporal porque suas transformações históricas são plurais e se consolidam a partir de diálogos e integrações diversas.

Spanish abstract

Analiza la complejidad histórica de la biblioteca. Presenta como un problema la siguiente pregunta: ¿cómo se presenta la temporalidad de la biblioteca a partir de un diálogo con los conceptos de la historia? El objetivo de este trabajo es discutir los conceptos de biblioteca multitemporal y sus relaciones dentro de los diferentes conceptos y percepciones de la historia, como Paul Veyne, Edgar Morin y Eric Hobsbawm. En cuanto a la metodología, el estudio representa una revisión de la literatura, buscando establecer un diálogo entre los campos del conocimiento, especialmente la biblioteca y de la historia y la literatura de las áreas antes mencionadas de carácter nacional y global. Llegamos a la conclusión de que la biblioteca es multitemporal porque se instala en los diversos contextos históricos de la narración y el diálogo a partir del presente y se integra entre el pasado, presente y futuro. Creemos, por último, que la biblioteca es multitemporal porque sus transformaciones históricas son plurales y se consolidan a partir de diversos diálogos e integraciones.

Item type: Journal article (Paginated)
Keywords: Biblioteca, multitemporalidade, história, tempos passado–presente– futuro; library, multitemporalidade, story times past–present–future; Biblioteca, multitemporalidade, historia veces pasado–presente–futuro.
Subjects: A. Theoretical and general aspects of libraries and information. > AB. Information theory and library theory.
B. Information use and sociology of information
Depositing user: Luis Carlos Toro Tamayo
Date deposited: 24 Jun 2014 12:48
Last modified: 02 Oct 2014 12:31
URI: http://hdl.handle.net/10760/22871

References

"SEEK" links will first look for possible matches inside E-LIS and query Google Scholar if no results are found.

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. 1997. Sociedade e Biblioteconomia. São Paulo: Pólis, APB, 1997.

JACOB, Christian. 2000. O poder das bibliotecas: a memória dos livros no Ocidente. Rio de Janeiro: UFRJ, 2000. p. 9–17.

BATTLES, Matthew. 2003. A conturbada história das bibliotecas. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2003.

BELO, André. 2002. História & livro e cultura. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. 113 p.

BURKE, Peter. 2003. Uma história social do conhecimento: de Gutenberg a Diderot. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

CARVALHO SILVA, Jonathas Luiz, SILVA, Roosewelt Lins. 2010. Biblioteca, luta de classes e o posicionamento da Biblioteconomia brasileira: algumas considerações. Em Questã [em línea]. Julho – dezembro 2010, vol. 16, n. 2. [fecha de consulta: 23 noviembre 2012] Disponível em: http://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/ view/16023.

CASTRO, César Augusto. 2006. Biblioteca como lugar de memória e eco de conhecimento: um olhar sobre ''O Nome da Rosa''. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação. 4(esp.):01–20, 2006.

COSTA, Maria Neusa de Morais. 1984. Biblioteca Pública como centro de informação utilitária: uma experiência no município de Santa Rita. Revista da Escola de Biblioteconomia. 13(2): 179–195, 1984.

DARNTON, Robert. 2010. A questão dos livros: presente, passado e futuro. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

ESCARPIT, Robert. 1976. A revolução do livro. Rio de Janeiro: FGV, 1976. 156p.

FIGUEIREDO, Nice Menezes de. 1994. Estudos de uso e usuários da informação. Brasília: IBICT, 1994. 154p.

HOBSBAWM, Eric. 1998. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

HJØRLAND, Birger. 2002. Domain analysis in information science: Eleven approaches – traditional as well as innovative. Journal of Documentation. 58 (4): 422–462, 2002.

HJØRLAND, Birger. 2003. Epistemology and the socio– cognitive perspective in information science. Journal of the American Society for Information Science and Technology. 53(4): 257–270, 2003.

HJØRLAND, Birger. 2000. Library and information science: practice, theory, and philosophical basis. Information Processing and Mangement. 36(3): 501–531, 2000.

HJØRLAND, Birger, ALBRECHTSEN, Hanne. 1995. Toward a new horizon in information science: domain– analysis. Journal of the American Society for Information Science and Technology. 46(6): 400–425, 1995.

HOUSMAN, Edward M. 1973. Selective dissemination of information. Annual Review of Information Science and Technology. 8:221–241, 1973.

INGWERSEN, Peter. 1992. Conceptions of information science. In: VAKKARI, Pertti, CRONIN, Blase. Conceptions of library and information science: historical, empirical and theoretical perspectives. Los Angeles: Taylor Graham, 1992. pp. 299–312.

LEMOS, Briquet de. Bibliotecas. In: CAMPELLO, Bernadete; CALDEIRA, Paulo da Terra. (orgs.). Introdução às fontes de informação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2005.

LITTON, Gaston. 1975. O livro e sua história. Tradução de Maria Elvira Strang. São Paulo: McGraw Hill do Brasil, 1975.

MCKITTERICK, David. 2000. A biblioteca como interação: a leitura e a linguagem da bibliografia. In: BARATIN, Marc, JACOB, Christian. O poder das bibliotecas: a memória dos livros no Ocidente. Rio de Janeiro: UFRJ, 2000. pp. 94–107.

MEY, Eliane Serrão Alves. 1995. Introdução à catalogação. Brasília: Briquet de Lemos/Livros, 1995.

MILANESI, Luis. 1983. O que é biblioteca. São Paulo: Brasiliense, 1983.

MORIN, Edgar. 2010. Para onde vai o mundo?. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História: revista do Programa de Estudos Pós–Graduados em História e do Departamento de História PUC/SP, São Paulo, v. 10, p. 7–28, dez. 1993.

OLSON, Hope A. 2002. The power to name: locating the limits of subject representation in libraries. Dordrecht: Kluwer Academic, 2002.

SANTOS, Myriam Sepulveda. 2003. Memória coletiva e teoria social. São Paulo: AnnaBlume, 2003.

SMIRAGLIA, Richard P. 2002. The progress of theory in knowledge organization. Library Trends. 50(3): 330– 349, 2002.

SOUZA, Sebastião de. 2009. CDU: guia para utilização da edição padrão internacional em língua portuguesa. Brasília: Thesaurus, 2009.

VEYNE, Paul. 2008. Como se escreve a história e Foucault revoluciona a História. Tradução: Alda Baltar e Maria Auxiliadora Kneipp. Brasília, Editora UnB, 2008.


Downloads

Downloads per month over past year

Actions (login required)

View Item View Item