O conceito de Organização do Conhecimento nas revistas brasileiras de Ciência da Informação

Arruda-Café, Lígia-Maria and Monteiro-de Barros, Camila and Cunha-dos Santos, Valéria O conceito de Organização do Conhecimento nas revistas brasileiras de Ciência da Informação. Revista Interamericana de Bibliotecología , 2014, vol. 37, n. 3, pp. 201-214. [Journal article (Paginated)]

[img]
Preview
Text (PDF)
RIB 37-3 art. 1.pdf - Published version
Available under License Creative Commons Attribution Non-commercial.

Download (1MB) | Preview

English abstract

The absence of conceptual and terminological accuracy in the transfer of information between researchers may lead to ambiguous interpretations by actors in different communication contexts. Based on this observation, this paper aims to verify the use of the term Knowledge Organization (KO) and its corresponding meaning in a formal communication channel among experts in Brazilian scientific journals of Information Science (IS). The choice for the analysis of this term influences the importance of KO area in the field of IS. From the concept of Knowledge Organization proposed by Bräscher and Café (2010), the objective of this research is to conduct a conceptual study on this term in the field of IS, and verify the conformity of the authors of this area with the attributes given to the guiding concept. The survey was conducted through national scientific journals of Information Science, classified in 2012 as A1 and A2 in the Qualis Capes system. The search of the term Knowledge Organization in the “title” and “keywords” fields was carried out in the Referential Database of Articles on Information Science (BRAPCI). 21 articles were retrieved, 20 of which were considered as analysis corpora. In the retrieved articles, convergences with the guiding concept were analyzed. The results show that 60% of the articles present full conformity with the adopted concept and that 70% conform to at least one of the attributes of the guiding concept.

Spanish abstract

La falta de precisión conceptual y terminológica en la transferencia de información entre los investigadores, puede causar interpretaciones ambiguas por parte de algunos actores en diferentes situaciones de comunicación. Con base en esta observación, el presente estudio tiene por objeto verificar el uso del término Organización del Conocimiento (OC) y su correspondiente significado en un canal formal de comunicación entre los especialistas en revistas científicas brasileñas de Ciencias de la Información (CI). La elección para el análisis de ese término incide sobre la importancia central de la zona de OC en el ámbito de la CI. A partir del concepto de Organización del Conocimiento propuesto por Bräscher y Café (2010), el objetivo de esta investigación es realizar un estudio conceptual en referencia a ese término en el ámbito de la CI, y verificar la conformidad de los autores del área con los atributos que se sugieren en el concepto norteador. La encuesta se realizó en revistas científicas nacionales de Ciencias de la Información, clasificadas en 2012 como A1 y A2 en el sistema Qualis Capes. La búsqueda del término Organización del Conocimiento en los campos “título” y “palabras clave” se realizó en la Base de Referencia de Artículos en Ciencias de la Información (BRAPCI). Fueran recuperados 21 artículos, 20 de los cuales fueran considerados como corpus de análisis. En los artículos recuperados, se analizaron las convergencias con el concepto guía. Los resultados muestran que 60% de los artículos presentan plena conformidad con el concepto adoptado y que el 70% son conformes con al menos uno de los atributos del concepto guía.

Portuguese abstract

A falta de precisão conceitual e terminológica na transferência de informação entre pesquisadores pode provocar interpretações ambíguas pelos interlocutores nas diversas situações de comunicação. Com base nessa constatação, este estudo procura verificar o emprego do termo organização do conhecimento (OC) e seu respectivo significado em um canal formal de comunicação entre especialistas: os periódicos científicos brasileiros em Ciência da Informação (CI). A escolha pela análise do referido termo recai sobre a importância central da área de OC no domínio da CI. Partindo do conceito de organização do conhecimento proposto por Bräscher e Café (2010), o objetivo dessa pesquisa é realizar um estudo conceitual referente ao termo no âmbito da CI, verificando a conformidade dos autores da área com os atributos sugeridos no conceito norteador. O levantamento dos artigos analisados foi realizado em periódicos científicos nacionais da área de Ciência da Informação, classificados em 2012 como A1 e A2 no sistema Qualis Capes. A busca pelo termo organização do conhecimento nos campos “título” e “palavras-chave” foi realizada utilizando a Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação (BRAPCI) e recuperou 21 artigos, sendo 20 deles considerados como corpus para análise. Nos artigos recuperados, foram analisadas as convergências com o conceito norteador. Os resultados apontam que 60% dos artigos apresentam conformidade total com o conceito adotado e que 70% estão em conformidade com pelo menos um dos atributos do conceito norteador.

Item type: Journal article (Paginated)
Keywords: Terminology, Knowledge organization, Conceptual analysis; Terminología, Organización del Conocimiento, Análisis conceptual; Terminologia. Organização do Conhecimento, Análise conceitual
Subjects: A. Theoretical and general aspects of libraries and information. > AA. Library and information science as a field.
B. Information use and sociology of information > BG. Information dissemination and diffusion.
J. Technical services in libraries, archives, museum. > JB. Serials management.
Depositing user: Luis Carlos Toro Tamayo
Date deposited: 05 Sep 2014 13:25
Last modified: 02 Oct 2014 12:32
URI: http://hdl.handle.net/10760/23704

References

Abreu, J. G. e Monteiro, S. D. (2010). “Matrizes da linguagem e a organização virtual do conhecimento”. Ciência da Informação, 2(39), 9-26. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/ view/1788/1363.

Almeida Campos, M. L. (2004). “Modelização de domínios de conhecimento: uma investigação de princípios fundamentais”. Ciência da Informação, 1 (33), 22-32. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/index. php/ciinf/article/view/56/53

Barreto, A. A. (2007). “Uma história da ciência da informação”, in TOUTAIN, L. M. B. B (Org.). Para entender a Ciência da Informação. Salvador: EDUFBA. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ ufba/145/1/Para%20entender%20a%20ciencia%20 da%20informacao.pdf

Benveniste, É. (1993). Problèmes de Lingustique Générale, 2. París: Gallimard.

Brandt, M. e Medeiros, M. B. (2010). “Folksonomia: esquema de representação do conhecimento?”. TransInformação, 2(22), 111-121. Disponível em: http:// periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/ transinfo/article/view/489/469.

Bräscher, M. e Café, L. M. (2010). Organização da Informação ou Organização do Conhecimento? In Temas de Pesquisa em Ciência da Informação No Brasil, (87-103). São Paulo: Escola de Comunicações e Artes/USP.

Bräscher, M. e Carlan, E. (2010). Sistemas de organização do conhecimento: Antigas e novas linguagens. In Robredo, Jaime e Bräscher, Marisa (Orgs.). Passeios pelo bosque da informação: estudos sobre a representação e organização da informação e do conhecimento – EROIC (147- 176). Brasília: IBICT. Disponível em: http://repositorio. ibict.br/bitstream/123456789/36/1/eroic.pdf

Dahlberg, I. (2006). “Knowledge Organization: A New Science?”. Knowledge Organization, 33, 11-19.

Fogl, J. (1999). “A relação entre o conceito de informação e o conceito de conhecimento”. International Forum On Information And Documentation, 1 (4), 21-24.

Gaudin, F. (2005). “La Socioterminologie”. Languages, 157 (39), 80-92.

Hodje, G. (2000). “Systems of Knowledge Organization for Digital Libraries: beyond traditional authority files”. Washington, DC, the Council on Library and Information Resources. Disponível em: http://www.clir.org/pubs/ reports/pub91/1knowledge.html

Hjørland, B. (2001). “Towards a theory of aboutness, subject, topicality, theme, domain, field, content and relevance”. Journal of the American Society For Information Science And Technology, 9 (52), 774–778. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/asi.1131/full

Hjørland, B. (2002). “Domain analysis in information science: Eleven approaches - traditional as well as innovative”. Journal Of Documentation, 58 (4), 422-452.

Lima, G. A. (2004). “Mapa Conceitual como ferramenta para organização do conhecimento em sistema de hipertextos e seus aspectos cognitivos”. Perspectivas em Ciência da Informação, 2 (9), 134-145. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/ article/view/355/164

Meadows, A. J. (1999). A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos/Livros.

Pinheiro, L. V. e Loureiro, J. M. (1995). “Traçados e limites da ciência da informação”. Ciência da Informação, 1 (24), Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/index. php/ciinf/article/view/531/483

Sager, J. (1990). What is terminology? In A practical course in terminology processing (1-10). Filadélfia: John Benjamins Publishing Company.

Tristão, A. M., Fachin, G. R. e Alarcon, O. E. (2004). “Sistema de classificação facetada e tesauros: instrumentos para organização do conhecimento”. Ciência da Informação, 2 (33), 161-171. Disponível em: http:// revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/88/82

Vital, L. P. e Café, L. M. (2011). “Ontologias e taxonomias: diferenças”. Perspectivas em Ciência da Informação, 2 (16), 115-130. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci. ufmg.br/index.php/pci/article/view/200/927

6.1 APÊNDICE A – Referências do corpus de pesquisa

Abreu, J. G. e Monteiro, S. D. (2010). “Matrizes da linguagem e a organização virtual do conhecimento”. Ciência da Informação, 2 (39), 9-26. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/ view/1788/1363

Aganette, E, Alvarenga, L. e Souza, R. R. (2010). “Elementos constitutivos do conceito de taxonomia”.

Informação & Sociedade: Estudos, 3 (20), 77-93. Disponível em: http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/ view/3994/4807

Aranalde, M. M. (2009). “Reflexões sobre os sistemas categoriais de Aristóteles, Kant e Ranganathan”. Ciência da Informação, 1 (38), 86-108. Disponível em: http://revista. ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/1056/1313

Barité, M. et al. (2010). “Garantia literária: elementos para revisão crítica após um século”. TransInformação, 2 (22), 123-138. Disponível em: http://periodicos.puc- campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/ view/490/470

Brandt, M. e Medeiros, M. B. (2010). “Folksonomia: esquema de representação do conhecimento?”. TransInformação, 2 (22), 111-121. Disponível em: http:// periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/ transinfo/article/view/489/469

Bufrem, L. S. e Breda, S. M. (2011). “Presença da Lógica no domínio da organização do conhecimento: aspectos interdisciplinares no currículo do ensino superior”. Perspectivas em Ciência da Informação, 1 (16), 185-194. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/ index.php/pci/article/view/1045/840

Campos, M. L. (2004), “Modelização de domínios de conhecimento: uma investigação de princípios fundamentais”. Ciência da Informação, 1 (33), 22-32. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ ciinf/article/view/56/53

García Gutiérrez, A. (2006), “Cientificamente favelados: uma visão crítica do conhecimento a partir da epistemografia”. TransInformação, 2 (18), 103-112. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/ seer/index.php/transinfo/article/view/672/652

Kobashi, N. Y. e Santos, R. N. (2006). “Institucionalização da pesquisa científica no Brasil: cartografia temática e de redes sociais por meio de técnicas bibliométricas”. TransInformação, 1 (18), 27-36. Disponível em: http:// periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/ transinfo/article/view/680/660

Lima, G. A. (2004). “Mapa Conceitual como ferramenta para organização do conhecimento em sistema de hipertextos e seus aspectos cognitivos”. Perspectivas em Ciência da Informação, 2 (9), 134-145. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/ article/view/355/164

Lucas, C. R. (1996). “A organização do conhecimento e tecnologias da informação”. TransInformação, 3 (8), 59-65. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/ seer/index.php/transinfo/article/view/1601/1573

Marcondes, C. H. (2001). “Representação e economia da informação”. Ciência da Informação, 1 (30), 61-70. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ ciinf/article/view/225/200

Monteiro, S. D. e Giraldes, M. J. (2008). “Aspectos lógico-filosóficos da organização do conhecimento na esfera da ciência da informação”. Informação & Sociedade: Estudos, 3 (18), 13-27. Disponível em: http://www.ies. ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/1775/2269

Monteiro, S. (2006). “O ciberespaço e os mecanismos de busca: novas máquinas semióticas”. Ciência da Informação, 1 (35), 31-38. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/ index.php/ciinf/article/view/663/577

Rodrigues, A. (2005). “Uma estrutura de classificação com enfoque na cultura amazônica”. Ciência da Informação, 2 (34), 43-51. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/ index.php/ciinf/article/view/668/579

Sales, L. F., Campos, M. L. e Gomes, H. E. (2008). “Ontologias de domínio: um estudo das relações conceituais”. Perspectivas em Ciência da Informação, 2 (13), 62-76. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci. ufmg.br/index.php/pci/article/view/219/474

Tognoli, N. B. e Guimarães, J. A. (2011). “A organização do conhecimento arquivístico: perspectivas de renovação a partir das abordagens científicas canadenses”. Perspectivas em Ciência da Informação, 1 (16), 21-44. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/ article/view/1084/832

Tristão, A. M., Fachin, G. R. e Alarcon, O. E. (2004). “Sistema de classificação facetada e tesauros: instrumentos para organização do conhecimento”. Ciência da Informação, 2 (33), 161-171. Disponível em: http:// revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/88/82

Vital, L. P. e Café, L. M. (2011). “Ontologias e taxonomias: diferenças”. Perspectivas em Ciência da Informação, 2 (16), 115-130. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci. ufmg.br/index.php/pci/article/view/200/927

Weitzel, S. R.(2002). “O desenvolvimento de coleções e a organização do conhecimento: suas origens e desafios”. Perspectivas em Ciência da Informação, 1 (7), 61-67. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/ index.php/pci/article/view/414/227


Downloads

Downloads per month over past year

Actions (login required)

View Item View Item