Documento, arquivo e formas de representação da realidade

Rabello, Rodrigo and Rodrigues, Georgete Medleg Documento, arquivo e formas de representação da realidade., 2016 . In V Seminario Hispano Brasileño de Investigación en Información, Documentación y Sociedad, 2016, Madrid. Información, Documentación y Sociedad. Madrid: Universidad Complutense de Madrid, Madrid, 2016. (In Press) [Conference paper]

[img]
Preview
Text
Rabello_Rodrigues_2016_Documento, arquivo e formas de representação_Hispano.pdf

Download (351kB) | Preview

English abstract

This paper considers the function of the document as proof and the archive as privileged institution of storage and access. It traces a panorama of probing approaches that can constitute or provide tools for forms of representing social reality. For such, it makes use of bibliographic resources and an interdisciplinary perspective, involving theoreticians of Archival Science, Diplomatics, History, and Information Science, to corroborate the following probing values that can relate with the archival document: 1. “Capturing the word/register”; 2. “Representing reality”; and 3. “legitimizing discourses.” After approaching such perspectives, it identifies the need to deepen the latter approach so as to investigate the materiality of the archival document in an investigation program weighing: the symbolic dimension, the materiality of the utterance – socially permeated amidst the documentation and constitutive or constituting documental phases of memory – and the power-knowledge relation found in the institutional context.

Portuguese abstract

Considera a função do documento como prova e o arquivo como instituição privilegiada para o seu armazenamento e acesso. Traça um panorama de abordagens probatórias que podem constituir ou instrumentalizar formas de representação da realidade social. Para tanto, lança mão do recurso bibliográfico e de uma perspectiva interdisciplinar, envolvendo teóricos das áreas de arquivologia, diplomática, história, ciência da informação, para corroborar os seguintes valores probatórios que podem incidir sobre o documento de arquivo: 1. “Aprisionamento da palavra/registro”; 2. “Representação da realidade”; e 3. “Legitimação de discursos”. Após abordar tais perspectivas, identifica a necessidade de se aprofundar a última abordagem de modo a investigar a materialidade do documento de arquivo em um programa de investigação em que se pesem: a dimensão simbólica, a materialidade dos enunciados – permeados socialmente mediante a documentação e as fases documentais da memória constitutivas ou constituintes – e a relação saber-poder presente no contexto institucional.

Item type: Conference paper
Keywords: Document. Documental proof. Archive. Archival Science. Diplomatics. History. Information Science.
Subjects: A. Theoretical and general aspects of libraries and information.
A. Theoretical and general aspects of libraries and information. > AC. Relationship of LIS with other fields .
Depositing user: Rodrigo Rabello
Date deposited: 27 Sep 2017 03:42
Last modified: 27 Sep 2017 03:47
URI: http://hdl.handle.net/10760/31754

References

"SEEK" links will first look for possible matches inside E-LIS and query Google Scholar if no results are found.

Barthes, R. & Marty, E., 1987. Oral/Escrito. In: Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 11 pp.32-57.

Bautier, R., 1961. Leçon d‟ouverture du cours de diplomatique à L‟École des chartes. In: Bibliothèque de L‟école des Chartes. Paris: [s.n.], pp.194-225. Tome 119.

Bloch, M., 1997. Introdução à História. [S.l.]: Fórum da História/Publ. Europa-América.

Bourdieu, P., 1996. Espírito do Estado: gênese e estrutura do campo burocrático. In: Bourdieu, P. Razões práticas sobre a teoria da ação. 4.ed. Campinas, SP: Papirus, pp.91-135.

Bucaille, R.; Pesez, J.-M., 1989. Cultura material. In: Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 16.

Buckland, M.K., 1991. Information as thing. JASIS, 45(5), pp.351-360.

Burke, P., 1997. A Escola dos Annales: 1929-1989: a revolução francesa da historiografia. São Paulo: UNESP.

Burke, P., 1992. Abertura: a nova história, seu passado e seu futuro. In: Burke, P. (ed.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, pp.7-37.

Chartier, R., 1978. História positivista. In: Le Goff, J.; Chartier, R.; Revel, J. et al. (ed.). A nova história. Coimbra: Almedina, pp.516-518.

Derrida, J., 2001. O mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume.

Descartes, R., 1996. Discurso do método. Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes.

Duranti, L., 1995. Diplomática: usos nuevos para una antigua ciencia. Carmona: S&C Ed.

Duranti, L., 1994. Registros documentais contemporâneas como prova de ação. Estudos Históricos, 7(13), pp.49-64.

Favier, J., 2001. Les archives. Paris: Presses Universitaires de France.

Foucault, M., 2005. A Arqueologia do Saber. Lisboa: Almedina.

Frohmann, B., 2008. O caráter social, material e público da informação. In: Fujita, M.; Marteleto, R.; Lara, M. (dir.). A dimensão epistemológica da ciência da informação e suas interfaces técnicas, políticas e institucionais nos processos de produção, acesso e disseminação da informação. São Paulo: Cult. Acadêmica; Marília: Fundepe, pp.19-34.

Gay, P., 1990. Ranke: o crítico respeitoso. In: Gay, P. O Estilo na História. São Paulo: Companhia das Letras, pp.63-93.

Grassi, O., 2008. La filosofia medievale nell‟opera di Jean Mabillon. Rivista di Filosofia NeoScolastica, 1, pp.17-31. 12

Kopytoff, I., 1991. La biografía cultural de las cosas: la mercantilización. In: Appadurai, A. (Ed.). La vida social de las cosas: perspectiva cultural de las mercancías. México: Grijalbo, pp.89-122.

Le Goff, J., 1994. Documento/monumento. In: Le Goff, J. História e memória. 3.ed. Campinas: Ed. UNICAMP.

Nuñez-Contreras, L., (1991). Concepto de documento. In: Nuñez-Contreras, L. Archivistica: estudios básicos. Sevilla: Diputación Provincial, pp.25-44.

Pomian, K., 1984. Colecção. In: Enciclopédia Einaudi, Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda.

Rabello, R., 2009. A face oculta do documento: tradição e inovação no limiar da Ciência da Informação. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – UNESP, Marília.

Rabello, R. & Rodrigues, G.M., 2014. Prova documental: inscrições e materialidade. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, 7(2), pp.1-21, Disponível em: <http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/viewArticle/151>.

Rede, M., 1996. História a partir das coisas: tendências recentes nos estudos de cultura material. Anais do Museu Paulista, 4, pp.265-282.

Reis, J.C., 2004. A História, entre a Filosofia e a Ciência. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Ricoeur, P., 2007. Fase documental: a memória arquivada. In: Ricoeur, P. A memória, a história, o esquecimento, Campinas: Ed. Unicamp.

Schmitt, J.-C., 1978. A história dos marginais. In: Le Goff, J.; Chartier, R.; Revel, J. et al. (ed.). A nova história. Coimbra: Almedina, pp.394-426.

Shwartz, J.M. & Cook, T., 2004. Arquivos, documentos e poder: a construção da memória moderna. Revista do Arquivo Público Municipal de Indaiatuba, 3(3), pp.15-30.

Silva, A.M. et al., 1999. Arquivística: teoria e prática de uma Ciência da Informação. Porto: Afrontamento.

Sina, M., 2008. Mabillon e la filosofia moderna. Rivista di Filosofia Neo-Scolastica, 1, pp.33-48.

Vuillemin, J. (1987). Conceito. In: Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 37, pp. 77-124.


Downloads

Downloads per month over past year

Actions (login required)

View Item View Item