Documento, forma e materialidade: abordagens probatórias e representação da realidade

Rabello, Rodrigo and Rodrigues, Georgete Medleg Documento, forma e materialidade: abordagens probatórias e representação da realidade., 2016 . In XVII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB), 2016, Salvador. Descobrimentos da Ciência da Informação: desafios da Multi, Inter e Transdisciplinaridade (MIT)., Salvador, 2016. [Conference paper]

[img]
Preview
Text
Rabello_Rodrigues_2016_documento forma materialidade [Pages 270 - 289].pdf

Download (1MB) | Preview

English abstract

This presentation regards meanings of form and materiality of the document from the assumption that it may show referential and probative value to represent reality, considering diverse knowledge and interests one can clarify from the “discourse legitimizing” approach. It proposes a dialog among Diplomatics, Archival Science, History, and Information Science, based on, respectively, the scientific origins of documental form study and contributions from 20th century French Historiography and Foucaultian perspective, so as to help comprehend interpretative frameworks by which investigative fields of knowledge here concerned seek to establish criteria and/or identify variables from documental proof aiming toward social reality representation. Biographic resource is used aiming to differentiate probative conceptions of the document in the face of notions of documental form and materiality found in three approaches: i) “capturing word” or “register”; ii) “representing reality”, and iii) “legitimizing discourses.” The third perspective presents itself as a productive space to clarify academic approaches concerning the document aiming to probe and represent reality, especially unveiling: a) institutionalities present in the form-materiality relation of the document; and b) electivities, mediated by language, institutionally circumscribed, tensioned by the knowledge-power relation for the constitution of monuments.

Portuguese abstract

Considera acepções de forma e de materialidade do documento a partir da hipótese de que este pode apresentar valor probatório e referencial para a representação da realidade, tendo em vista saberes e interesses diversificados que podem ser clarificados a partir da abordagem “legitimação de discursos”. Propõe um diálogo entre diplomática, arquivologia, história e ciência da informação, tomando por base, respectivamente, as origens científicas do estudo da forma documental e as contribuições da historiografia francesa do século XX e da perspectiva foucaultiana. Argumenta que essa trajetória se justifica por auxiliar a apreensão dos arcabouços interpretativos por meio dos quais os campos do saber investigados buscam, a partir da prova documental, estabelecer critérios e/ou identificar variáveis com vistas à representação da realidade social. Para tanto, utiliza do recurso bibliográfico por meio do qual objetiva diferenciar concepções probatórias do documento mediante as noções de forma documental e de materialidade presentes em três abordagens: 1. “Aprisionamento da palavra/registro”; 2. “Representação da realidade”; e 3. “Legitimação de discursos”. Constata que a última perspectiva se apresenta como um espaço profícuo para esclarecer abordagens acadêmicas do documento com fins probatórios e de representação da realidade, sobretudo para desvelar: a) institucionalidades presentes na relação forma e materialidade do documento; e b) eletividades, mediadas pela linguagem, circunscritas institucionalmente e tensionadas pela relação saber-poder para a constituição de monumentos.

Item type: Conference paper
Keywords: Documental proof. Diplomatics. Archival Science. History. Information Science.
Subjects: A. Theoretical and general aspects of libraries and information. > AA. Library and information science as a field.
A. Theoretical and general aspects of libraries and information. > AC. Relationship of LIS with other fields .
Depositing user: Rodrigo Rabello
Date deposited: 27 Sep 2017 03:59
Last modified: 27 Sep 2017 03:59
URI: http://hdl.handle.net/10760/31755

References

"SEEK" links will first look for possible matches inside E-LIS and query Google Scholar if no results are found.

BARTHES, R.; MARTY, E. Oral/Escrito. In: ENCICLOPÉDIA EINAUDI. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1987. v.11. p.32-57.

BAUTIER, R. Leçon d’ouverture du cours de diplomatique à L’École des chartes. In: BIBLIOTHÈQUE DE L’ÉCOLE DES CHARTES. Paris: [s.n.], 1961. p.194-225. Tome 119.

BELLOTTO, H.L. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado; Imprensa Oficial do Estado, 2002.

BERTRAND, P. Du De re diplomatica au Nouveau traité de diplomatique : réception des textes fondamentaux d’une discipline. In: LECLANT, J. ; VAUCHEZ, A. ; HUREL, D.-O. (Ed.). Dom Jean Mabillon, figure majeure de l’Europe des lettres : Actes des deux colloques du tricentenaire de la mort de Dom Mabillon (abbaye de Solesmes, 18-19 mai 2007 ; AIBL, 7-8 décembre 2007). Paris : Académie des inscriptions et belles-lettres, 2010. p.605-619.

BLOCH, M. Introdução à História. [S.l.]: Fórum da História/Publ. Europa-América, 1997.

BOURDIEU, P. Espírito do Estado: gênese e estrutura do campo burocrático. In:______. Razões práticas sobre a teoria da ação. 4.ed. Campinas, SP: Papirus, 1996. p.91-135.

BUARQUE DE HOLANDA, S. Introdução: o atual e o inatual em Leopold von Ranke. In: RANKE, L. v. História. São Paulo: Ática, 1979. p.7-62.

BUCAILLE, R.; PESEZ, J.-M. Cultura material. In: ENCICLOPÉDIA EINAUDI. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1989. v.16.

BUCKLAND, M.K. Information as thing. Journal of the American Society for Information Science, v.45, n.5, p.351-360, 1991.

BURKE, P. A Escola dos Annales: 1929-1989: a revolução francesa da historiografia. Trad. Nilo Odália. São Paulo: UNESP, 1997.

______. Abertura: a nova história, seu passado e seu futuro. In:______. (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992. p.7-37.

CAMARGO, A.M.A. Os arquivos e o acesso à verdade. In: MACDOWELL, C. et al. (ed.). Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2009. p.424-443.

CHARTIER, R. História positivista. In: LE GOFF, J.; CHARTIER, R.; REVEL, J. et al. (Org.). A nova história. Coimbra: Almedina, 1978. p.516-518.

DERRIDA, J. O mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume, 2001.

DESCARTES, R. Discurso do método. Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

DURANTI, L. Diplomática: usos nuevos para una antigua ciencia. Carmona: S&C Ed., 1995.

______. Registros documentais contemporâneas como prova de ação. Estudos Históricos, v.7, n.13, p.49-64, 1994.

EVANS, G.E. Developing library and information collections. Littleton: Libraries Unilimited, 1987.

FAVIER, J. Les archives. Paris: Presses Universitaires de France, 2001.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Lisboa: Almedina, 2005.

______. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 2009.

FREITAS, L. S. Documento e poder: uma arqueologia da escrita. Morpheus, v.7, p.1-15, 2009. Disponível em: < http://www4.unirio.br/morpheusonline/numero14-2012/artigos/lidia_pt.pdf> . Acesso em: 29 jul. 2014.

FROHMANN, B. O caráter social, material e público da informação. In: FUJITA, M.; MARTELETO, R.; LARA, M. (Org.). A dimensão epistemológica da ciência da informação e suas interfaces técnicas, políticas e institucionais nos processos de produção, acesso e disseminação da informação. São Paulo: Cult. Acadêmica; Marília: Fundepe, 2008. p.19-34.

GAY, P. Ranke: o crítico respeitoso. In:______. O Estilo na História. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. p.63-93.

GRASSI, O. La filosofia medievale nell’opera di Jean Mabillon. Rivista di Filosofia Neo-Scolastica, v.1, p.17-31, 2008.

GUIMARÃES, J.A.C. Análise documentária em jurisprudência: subsídios para uma metodologia de indexação de acórdãos trabalhistas brasileiros. 1994. 250p. Tese (Doutorado em Ciência da Comunicação) – ECA, USP, São Paulo, 1994.

HUREL, O. Dom Jean Mabillon, moine benedictin et acteur de la republique des lettres dans l’Europe de Louis XIV. Rivista di Filosofia Neo-Scolastica, v.1, p.3-15, 2008.

JAQUELINE Oliveira e a Bahia colonial pelos manuscritos da BN, Biblioteca Nacional [website], Rio de Janeiro, 29 mar. 2016. Disponível em: <https://www.bn.br/acontece/noticias/2016/03/jaqueline-oliveira-bahia-colonial-pelos-manuscritos-bn>. Acesso em: 10 maio 2016.

JENKINSON, H. A manual of archive administration. London: Percy Lund; Humphries, 1965.

KOPYTOFF, I. La biografía cultural de las cosas: la mercantilización. In: APPADURAI, A. (Ed.). La vida social de las cosas: perspectiva cultural de las mercancías. México: Grijalbo, 1991. p.89-122.

LE GOFF, J. A história nova. In: LE GOFF, J.; CHARTIER, R.; REVEL, J. et al. (Org.). A nova história. Coimbra: Almedina, 1978. p.253-288.

______. Documento/monumento. In:______. História e memória. 3.ed. Campinas: Ed. UNICAMP, 1994.

MAZZOLENI, J. Storia della diplomatica. In:______. Paleografia e diplomatica e scienze ausiliarie. Napoli: Libreria Scientifica, 1970. p.209-214.

NUÑEZ-CONTRERAS, L. Concepto de documento. In:______. Archivistica: estudios básicos. Sevilla: Diputación Provincial, 1981. p.25-44.

RABIKAUSKAS, S.J.P. Diplomática general. Roma: [s.n.], 2000.

POMIAN, K. Colecção. In: ENCICLOPÉDIA EINAUDI, Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1984.

RABELLO, R. A face oculta do documento: tradição e inovação no limiar da Ciência da Informação. 2009. 331f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – UNESP, Marília, 2009.

______.; RODRIGUES, G.M. Prova documental: inscrições e materialidade. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v.7, n.2, p.1-21, 2014. Disponível em: <http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/viewArticle/151>. Acesso em: 10 maio 2016.

______.; ______. Prova documental: valores diplomáticos e formas de representação. Ibersid: Revista de Sistemas de Información y Documentación, v.9, p.29-35, 2015.

REDE, M. História a partir das coisas: tendências recentes nos estudos de cultura material. Anais do Museu Paulista, v.4, p.265-282, 1996.

REIS, J.C. A História, entre a Filosofia e a Ciência. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

RICOEUR, P. Fase documental: a memória arquivada. In:______. A memória, a história, o esquecimento, Campinas: Ed. Unicamp, 2007.

SHWARTZ, J.M.; COOK, T. Arquivos, documentos e poder: a construção da memória moderna. Revista do Arquivo Público Municipal de Indaiatuba, v.3, n.3, p.15-30, 2004.

SILVA, A.M. et al. Arquivística: teoria e prática de uma Ciência da Informação. Porto: Afrontamento, 1999.

SINA, M. Mabillon e la filosofia moderna. Rivista di Filosofia Neo-Scolastica, v.1, p.33-48, 2008.

TESSIER, G. La diplomatique. Paris: Presses Universitaires de France, 1966.

TOGNOLI, N.B. A construção teórica da Diplomática: em busca de uma sistematização de seus marcos teóricos como subsídio aos estudos arquivísticos. 2013. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – UNESP, Marília, 2013.

VYGOTSKY, L.S. Pensamento e linguagem. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VUILLEMIN, J. Conceito. In: ENCICLOPÉDIA EINAUDI. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1987. v.37. p. 77-124.


Downloads

Downloads per month over past year

Actions (login required)

View Item View Item